03/04/2013 - DENGUE - UM PROBLEMA DE TODOS NÓS

A dengue é a mais importante arbovirose que afeta o homem em termos de morbidade e mortalidade, sendo responsável por mais de 100 milhões de casos anualmente em mais de 100 países. Os países tropicais são os mais atingidos em função de suas características ambientais, climáticas e sociais.


Esta doença infecciosa possui como agente etiológico vírus pertencentes à família Flaviviridae e gênero Flavivirus. O vírus possui quatro sorotipos: 1, 2, 3 e 4, sendo que no Brasil, atualmente, só ocorrem os três primeiros. Os vetores dos vírus são insetos pertencentes à família Culicidae e gênero Aedes. As principais espécies transmissoras da doença no mundo são Aedes aegypti Linnaeus (Diptera: Culicidae) e Aedes albopictus Skuse (Diptera: Culicidae), sendo no Brasil a primeira espécie a principal transmissora da doença.


A transmissão ao homem ocorre pela inoculação dos vírus através da picada do mosquito infectado. A infecção dos vetores ocorre pela ingestão de sangue infectado com o vírus, este vírus poderá ser transmitido por toda a vida do mosquito. Outra forma de transmissão, importante entre os vetores, é a chamada transmissão transovariana, onde o inseto passa o vírus para sua prole, dispensando o homem do ciclo mantenedor da doença, o que poderia garantir a população viral em estações secas e frias, quando a densidade vetorial é baixa e o número de reservatórios para o vetor é reduzido.

As manifestações clínicas observadas durante a infecção pelo vírus da dengue ocorrem após um período de incubação de dois a oito dias após a picada do vetor e são muito variáveis, incluindo desde quadros assintomáticos até quadros extremamente graves. No dengue clássico a grande maioria dos casos tem curso benigno, embora variando quanto ao tipo e intensidade de sintomas de acordo com o sorotipo viral e a população acometida. O diagnóstico laboratorial da doença pode ser feito por métodos virológicos, sorológicos e moleculares. 


Os métodos de controle da doença baseiam-se principalmente no controle dos mosquitos vetores. Este controle é feito na maioria das vezes através de produtos químicos, outras alternativas como o controle biológico e mecânico estão disponíveis. Não existem tratamentos específicos disponíveis para os doentes e ainda não existem vacinas disponíveis contra a dengue, embora as pesquisas estejam em fase avançada.


Vale destacar ainda a importância da participação de toda comunidade para o controle do inseto e também da doença. Se cada um fizer sua parte, sem dúvida nenhuma os problemas relacionados à dengue serão cada vez menores. Leia, informe-se e mãos a obra...sua participação é fundamental!!!


Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO -

http://www.portaleducacao.com.br/biologia/artigos/16368/dengue-um-problema-de-todos-nos#ixzz2PPD7nmMv


Autor Hospital Cemil
24/03/2016 - Diferenças entre a Dengue, Chikungunya e Zika

As principais diferenças (...)

Autor Hospital Cemil
17/02/2016 - As Doenças Cardiovasculares na Terceira Idade

      (...)

Autor Hospital Cemil
30/10/2015 - Sobre Câncer de Mama

 Sobre Câncer de Mama

Introdução:

Autor Hospital Cemil
19/12/2014 - VÍRUS EBOLA

O primeiro relato do vírus Ebola foi em 1976 (...)

Autor Hospital Cemil
03/04/2013 - DENGUE - UM PROBLEMA DE TODOS NÓS

A dengue é a mais importante arbovirose que afeta o homem em termos (...)

Autor Hospital Cemil
24/12/2012 - Teste do Pezinho

Autor Hospital Cemil

17/01/2012 - Influenza A (H1N1)

O que é a nova influenza A (H1N1)?

O H1N1 (referido anteriormente como influenza suína) é um novo vírus (...)

Autor Hospital Cemil
17/01/2012 - Varizes

O tratamento das varizes não é apenas uma questão estética mas também tem por objetivo evitar complicações como a varicotrombose (obstrução por trombos, (...)

Autor Hospital Cemil
02/12/2011 - Gorduras localizadas e a busca do corpo perfeito

"A maioria das pessoas nunca está satisfeita com o seu corpo, sempre tem uma gordurinha aqui, outra ali, e sempre difícil de combater. (...)

Autor Hospital Cemil
13/02/2009 - CONTRIBUIÇÃO ORIGINAL ALISQUIRENO: A NOVA ESPERANÇA NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO
ALISKIREN: A NEW HOPE IN TREATMENT OF HYPERTENSION

PAOLA NÓBREGA SOUZA¹
MARIANA HELLU²

Descritores: Hipertensão; Renina; Angiotensina (...)
Autor Dra. Mariana Sandri Hellú
Hospital Cemil - Todos os Direitos Reservados.
Telefone: 44 3621-9200
Av. Ângelo Moreira da Fonseca, 3415
87503-030 - Umuarama - Paraná